Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MEO blog

Conteúdo com fibra e relevante para os clientes MEO e para todos os que procuram um serviço de Televisão, Internet, Telefone e Telemóvel com qualidade.

Como será que os filmes "adivinham" o futuro da tecnologia?

Como será que os filmes "adivinham" o futuro da tecnologia?

Quando se olha para as primeiras séries de ficção científica (os que viveram na época e os que só agora tomam conhecimento desse facto) muitas vezes pensamos como é que os filmes previam que iria ser possível falar à distância através de um aparelho tão pequeno, com vídeo e a cores?

 

Podiam ser listados uma série dos mais avançados produtos de tecnologia que tiveram a sua "estreia" em filmes do início da década de 80, e alguns até mesmo década de 70 e 60. Mas, aquilo que importa reter, e que provavelmente acaba por ser mais transversal, é perceber como a série, os Simpsons, teve a capacidade de prever uma série de eventos e acontecimentos que, sendo considerados ridículos (por isso é que integram a série), acabaram por ser uma realidade.

 

Multiplicam-se as teorias e a própria física quântica talvez consiga justificar estes factos com a capacidade das viagens ao futuro. Quem sabe, estamos a viver, este presente, mas já esteja moldado por alguém que viajou ao futuro e regressou para contar a História.

 

Agora, que este pensamento está enraizado, podemos voltar ao exercício de sublinhar alguns filmes que mais valor dão à tecnologia. 

 

É incontornável começar pela Guerra das Estrelas, mas para quem se lembra, o Espaço 1999 também deu cartas neste capítulo. No fundo, era a previsão de que em 1999 iríamos todos viver em pleno uma vida extraterrestre.

 

Voltando à Guerra das estrelas, naves espaciais, sistemas de teletransporte, telepatia... a lista iria continuar, mas já perceberam a ideia. Há até quem diga que, colocando as naves num túnel de vento, se conclui que a aerodinâmica é péssima. Há os que preferem defender que no espaço, a aerodinâmica obedece a regras diferentes graças à ausência de gravidade.

 

Mas a tecnologia está lá. Leds com fartura, sistemas de controlo, navegação autónoma, inteligência artificial quanto baste, autómatos com capacidade de interagir com os humanos e até manifestar sentimentos.

 

E, como não podia deixar de ser, tecnologias que permitem criar e manter cidades inteligentes no espaço. Sistemas de cultivo, controlo de pragas e rega com aproveitamento de água de formas que hoje em dia se estudam como uma possibilidade para fazer face ao futuro e às alterações climáticas.

 

Como é óbvio, a explicação mais simples para a resposta ao título, é o facto de desde há diversos anos haver estudos e previsões relativamente à evolução da tecnologia. Se pensar bem, a própria Internet era uma ferramenta militar que os Estados Unidos decidiram abrir ao mundo.

 

Os drones, que atualmente estão na moda, há anos que são usados, a grandes distância, para fazer ataques cirúrgicos a alvos militares. E com o piloto a manobrá-los a milhares de quilómetros, numa sala, num continente diferente.

 

E a latência de que tanto se fala hoje em dia? Nestes drones não existe. Não pode existir. Quando um míssil é disparado para atingir uma viatura em movimento, a latência não pode, simplesmente, existir.

 

Hoje em dia, quando se vê uma cena com tecnologia futurista, é mais fácil acreditar que um dia vai ser possível. Mas, há duas décadas, nem é preciso recuar muito mais, tudo isto era encarado como ficção. Será que estes filmes devem continuar a ser inseridos numa categoria de "ficção"?

 

Cada vez é mais difícil aos argumentistas inovar. Há mais capacidade para efeitos especiais que criam cenas espetaculares, dramáticas, mas há quem ainda hoje use a expressão "Kit, vem-me buscar".

 

Talvez não seja o Kit, mas um Tesla, que já consegue conduzir sozinho e uma das funções mais simples talvez seja obedecer a uma ordem para sair de um estacionamento até ao local onde está o passageiro. Sim, passageiro, porque num futuro muito próximo, como se verifica em alguns filmes, as pessoas vão deixar de conduzir. Afinal, são as pessoas as principais responsáveis pelos acidentes e a tecnologia evoluirá para tentar salvaguardar a vida humana.

 

Pelo menos é essa a justificação apresentada nestes filmes futuristas. Outro exemplo onde a tecnologia surpreende, sem sair da terra, é no filme Demolidor, protagonizado por Silvester Stallone e Weslley Snipes. E é notória a vontade que ele tem de conduzir um carro “à moda antiga”.

 

Criogenia, veículos autónomos, tablets, reconhecimento pela íris e as famosas três conchas no WC que continuam, até hoje, sem explicação.

 

De toda a tecnologia deste filme, a criogenia de um ser humano talvez seja a que está mais longe de se tornar realidade. Ou não? Afinal, é uma técnica que se estuda desde a década de 40 e hoje em dia é utilizada para preservar sémen para utilização futura, por exemplo.

 

Atualmente a tecnologia continua a ter um papel preponderante na espetacularidade do cinema apesar de ser encarada com menos cepticismo. Agora, prepare as pipocas, e escolha um bom filme onde a tecnologia o possa deixar surpreendido, a pensar naquilo que o futuro pode trazer.

Artigos Relacionados

  • Assistentes virtuais, Inteligência Artificial e telepatia

    O cinema tem sido, desde sempre, uma espécie de oráculo no que respeita às novas tecnologias. Desde há muitos anos que a indústria de Hollywood aposta na introdução de tecnologias futuristas nas suas cenas.Saiba mais

  • Andamos a tentar humanizar os robôs

    Os robôs, em conjunto com a Inteligência Artificial, cujo expoente máximo atual existe na figura da Sophia, serão os assistentes "virtuais" do futuro.Saiba mais

  • A realidade dos carros autónomos e a promessa dos voadores

    O futuro já passou quando terminar de ler esta frase. Este é um dos pressupostos da tecnologia que está em constante mudança.Saiba mais

Soluções Recomendadas

  • Ultra Hd 4K

    Ultra HD 4K

    Uma qualidade de imagem nitidamente superiorSaiba mais

  • Meo Videoclube

    MEO Videoclube

    Dos êxitos mais recentes aos filmes mais premiados. Escolha e assista.Saiba mais

  • Meo By

    MEO By

    O meu MEO sou eu que o façoSaiba mais